As 6 tendências tecnológicas que vão afetar o sector da segurança em 2023

Article
29 Dezembro 2022
O facto da tecnologia se ter tornado omnipresente na nossa vida pessoal e profissional não é novidade. Isto deve-se em grande parte aos benefícios que as novas tecnologias trazem às empresas e aos cidadãos de todo o mundo na prestação de serviços novos, mais eficazes, e cada vez mais eficientes.   No entanto, a profundidade da integração da tecnologia nas nossas vidas, os avanços nas suas capacidades e uma maior consciência das suas implicações na sociedade são também maiores do que nunca e continuam a acelerar.

Tech trends 2023

 

Tendo isto em conta, muitas das grandes tendências macroeconómicas em todo o mundo - abrangendo questões geopolíticas, incerteza económica, preocupações ambientais, e direitos humanos - têm implicações em todos os sectores tecnológicos, incluindo a indústria da segurança.

 

O nosso é um sector que faz uso de tecnologia cada vez mais inteligente, inerentemente envolvido na recolha de dados sensíveis e tão impactado por questões geopolíticas que afetam o comércio internacional como qualquer outro. Porém, continuamos convictos na nossa opinião de que as nossas inovações irão criar um mundo mais inteligente e seguro.

 

Estas são as seis principais tendências tecnológicas que acreditamos irão afetar o sector da segurança em 2023.

 

1. Caminhar em direção a perceções práticas

A utilização crescente da Inteligência Artificial (IA) e machine learning tem sido focado na oportunidade de análises avançadas nos últimos anos. Avançando, a mudança de foco passará da análise propriamente dita, para as visões práticas que proporcionam utilizando em casos específicos. Trata-se menos de dizer que algo está errado, mas sim ajudar a decidir que ação tomar.

 

Um fator-chave para empregar a análise a fim de proporcionar conhecimentos práticos é o enorme aumento dos dados gerados pelas câmaras de vigilância, juntamente com outros sensores integrados na solução. Os dados (e metadados) que estão a ser criados seriam impossíveis de interpretar e agir com suficiente rapidez, mesmo com enormes e dispendiosos aumentos de recursos.

 

A utilização das análises pode gerar ações em tempo real que apoiam a segurança, a eficiência operacional e a proteção. Desde os avisos para ligar aos serviços de emergência em caso de incidentes, ao redirecionamento do tráfego nas cidades para aliviar os engarrafamentos, à redistribuição de pessoal em estabelecimentos comerciais movimentados, à poupança de energia nos edifícios através de iluminação e aquecimento mais eficientes, a análise está a recomendar, a sugerir e mesmo a começar a tomar as medidas que apoiam os operadores humanos.

Para além de insights úteis “ao vivo”, a análise pode apoiar na análise forense pós-incidente. Mais uma vez, dada a grande quantidade de dados que estão a ser criados pelas câmaras de vigilância, encontrar as perspetivas relevantes de uma cena pode demorar algum tempo. Isto pode dificultar as investigações e reduzir a probabilidade de serem encontrados os suspeitos. A busca assistida aborda esta questão, ajudando os operadores a encontrar rapidamente indivíduos e objetos de interesse entre horas de filmagens.

 

Finalmente, as ações propostas promovidas pelos analistas estão cada vez mais viradas para o futuro. O tempo de inatividade em instalações industriais e fábricas pode ser dispendioso. Uma combinação de sensores permite que a análise inteligente proponha uma manutenção preventiva antes de uma falha total.

 

“Da análise à ação” será o mantra para 2023.

 

2. Utilizar arquiteturas híbridas definidas a cada caso

Como já salientámos em posts anteriores sobre tendências tecnológicas, é agora comummente aceite que uma arquitetura de tecnologia híbrida é a mais adequada para sistemas de segurança, misturando servidores no local, computação baseada em nuvem, e dispositivos de ponta poderosos.

 

Todavia, nenhuma arquitetura se enquadra em todos os cenários. Mas aqui está a solução: primeiro avalie o que precisa de ser tratado no seu caso de utilização específica, e depois defina a solução híbrida que irá satisfazer as suas necessidades. É necessário considerar uma série de fatores.

 

Sem dúvida, as vantagens da análise avançada incorporada nas câmaras de vigilância no extremo da rede são evidentes. A análise das imagens da mais alta qualidade no instante em que são captadas dá às organizações a melhor hipótese de reagir em tempo real.

 

Do mesmo modo, os dados gerados pelas câmaras de vigilância são agora úteis para além da visualização em tempo real. A análise das tendências ao longo do tempo pode fornecer informações que promovem eficiências operacionais. Esta análise exige frequentemente o poder de processamento encontrado nos servidores locais ou na nuvem.

 

E, claro, existem os requisitos - muitas vezes definidos por regulamento - em torno da privacidade e armazenamento de dados que variam de país para país e de região para região. Estes podem definir a diferença entre o armazenamento no local e a utilização da nuvem.

 

O essencial é não ligar-se a uma só arquitetura. Mantenha-se aberto, dê a si próprio a flexibilidade para criar a arquitetura híbrida mais adequada às suas necessidades específicas.

 

3. O aparecimento de subtendências de cibersegurança

A importância da cibersegurança é também realçada através da exigência de estar em conformidade. Por exemplo, a proposta de Regulamento Ciber-resiliência  da Comissão Europeia irá colocar maiores exigências aos produtores de hardware e software em todos os sectores para garantir a cibersegurança dos seus produtos, através de menos vulnerabilidades no lançamento, e uma melhor gestão da cibersegurança ao longo do ciclo de vida dos produtos. O sector da segurança e vigilância será, evidentemente, incluído.

 

O regulamento demonstra tanto a importância como a complexidade da cibersegurança. Já não pode ser visto como um único assunto, mas sim como várias áreas interligadas. Algumas delas estão bem estabelecidas, mas outras estão a emergir.

 

No sector da videovigilância, as medidas de cibersegurança que asseguram a autenticidade e segurança dos dados à medida que são captados e transferidos da câmara para o servidor serão essenciais para manter a confiança no seu valor.

 

Veremos uma abordagem mais proativa por parte dos fornecedores de tecnologia na identificação de vulnerabilidades, com programas de “bug bounty” a tornarem-se comuns para incentivar as partes externas.

 

E os clientes esperam transparência em relação à cibersegurança das soluções de segurança, com uma Lista de Materiais de Software a tornar-se padrão na avaliação da segurança de software e gestão de riscos.

 

4. Além da segurança

Uma das tendências mais significativas para o sector da segurança, e com uma oportunidade igualmente significativa, é o movimento para além da segurança.

 

As câmaras de vigilância tornaram-se poderosos sensores. A qualidade da informação vídeo que captam, em todas as condições, tem aumentado de ano para ano durante décadas. Hoje, através de análises avançadas, também criam metadados - informação sobre os dados de vídeo - que acrescentam outra camada de informação e valor.

 

Isto, claro, melhora e aumenta a sua capacidade de apoiar casos de utilização de segurança e eficiência operacional, para além da segurança. Existe agora a oportunidade de combinar os dados criados pelas câmaras de vigilância com os de outros sensores - monitorização da temperatura, ruído, qualidade do ar e da água, vibração, meteorologia, e muito mais - criando uma rede sensorial avançada que permite a tomada de decisões com base em dados.

 

Já estamos a ver alguma utilização de tais redes em ambientes industriais através da monitorização de processos e do apoio à manutenção proativa. Mas os casos de utilização em que estas redes poderiam ser aplicadas são limitados apenas pela nossa imaginação, mas sem dúvida que podem ajudar a melhorar quase todos os aspectos das nossas vidas, incluindo a nossa segurança.

 

5. Sustentabilidade sempre, na vanguarda do combate às alterações climática

A sustentabilidade tem sido apresentada em várias das nossas previsões anuais de tendências tecnológicas, e não vemos menos necessidade de manter a dinâmica por detrás das iniciativas de sustentabilidade no seu sentido mais lato durante o próximo ano. Garantir que as organizações continuam a medir e a melhorar as práticas ambientais, sociais e de governação empresarial das empresas será essencial para respeitar as pessoas, ser um parceiro comercial de confiança, inovar de forma responsável e proteger o nosso planeta. Todos estes aspetos serão objeto de um escrutínio crescente por parte dos clientes de soluções de segurança e proteção.

 

Todavia, dadas as condições extremas do ano passado, esperamos um enfoque mais forte especificamente na abordagem das alterações climáticas em 2023. É evidente que ainda não estamos a fazer o suficiente para travar a aceleração do aquecimento global e espera-se que todos os sectores dupliquem os seus esforços.

 

Para a Axis, um passo fundamental tem sido o compromisso com a iniciativa Science-Based Targets (SBTi), que nos verá estabelecer objetivos de redução de emissões, não só no nosso próprio negócio mas através de toda a nossa cadeia de valor. Este é um ponto-chave. Embora as organizações possam fazer grandes esforços para reduzir as emissões das suas próprias operações, estas podem ser prejudicadas se as suas cadeias de valor a montante e a jusante não estiverem alinhadas com os mesmos objetivos.

 

Para as empresas tecnológicas, contudo, o escrutínio das suas próprias operações comerciais será apenas um dos lados da moeda das alterações climáticas. Espera-se também que demonstrem como os seus produtos e serviços apoiam os objetivos de sustentabilidade  dos seus próprios clientes, criando eficiências que também ajudam essas organizações a reduzir as emissões.

 

6. Um maior enfoque regulatório

Inevitavelmente, dada a sua omnipresença e poder, o sector tecnológico como um todo e tecnologias específicas estão a ser objeto de um maior escrutínio por parte dos reguladores e decisores políticos. Continuamos a acreditar que o foco deve ser sempre a regulamentação dos casos de utilização da tecnologia, e não a tecnologia em si, e que sempre respeitará a regulamentação local, regional, e internacional. Mas pode ser um quadro complicado.

 

A Comissão Europeia é uma das mais ativas na regulação tecnológica, num esforço contínuo para proteger a privacidade e os direitos dos cidadãos. A sua proposta de Regulamentação da IA , parte da Estratégia de IA da Comissão Europeia, visa atribuir categorias de risco específicas às utilizações da IA e será o primeiro quadro jurídico sobre a IA. Tal como a Directiva da Comissão sobre responsabilidade IA, o Regulamento de IA será, sem dúvida, tema de muito debate antes de se tornar lei.

 

Mas quer em relação à IA, quer as exigências em torno da cibersegurança, da privacidade dos dados, da restrição da influência das "big tech", ou do estabelecimento da soberania tecnológica, é evidente que as empresas tecnológicas no sector da segurança terão cada vez mais de aderir a regulamentos mais rigorosos. Em termos gerais, isto deve ser saudado, uma vez que garantir a transparência empresarial e a prática ética continua a ser fundamental.

 

A maior oportunidade para o nosso sector continua a ser o alinhamento do sucesso comercial contínuo com a nossa responsabilidade de abordar as questões críticas que o planeta e a nossa população enfrentam. Como sempre, estamos optimistas que a combinação da nossa inventividade humana, avanços tecnológicos e práticas comerciais éticas pode ser combinada para tornar o mundo um lugar melhor.

Resumimos as estas tendências no infográfico:
Aquí
Para mais informação, por favor contate: Maria Santafé, Marketing Specialist, Axis Communications