Glossário: Vídeo em rede

ActiveX
O ActiveX é um padrão que permite que componentes de software interajam uns com os outros em um ambiente de rede, independentemente das linguagens utilizadas para criá-los. Os navegadores da Web podem ter contato com controles ActiveX, documentos ActiveX e scripts ActiveX. Os controles ActiveX são frequentemente baixados e instalados automaticamente conforme necessário. 

AF (foco automático)
Um sistema através do qual a lente da câmera focaliza automaticamente em uma parte selecionada do objeto. 

AGC
O controle de ganho automático (AGC) é um algoritmo de controle que ajusta automaticamente o ganho e o deslocamento, o que resulta em uma imagem visualmente agradável e estável. O nível do sinal de entrada para uma câmera visual pode mudar rapidamente, por exemplo, quando o sol desaparece por trás de uma nuvem. No caso de uma câmera térmica, a mudança rápida correspondente poderia ser algo frio ou quente entrando na cena. Um exemplo de quente seria um motor de caminhão. Com a implantação de diferentes técnicas de AGC, tanto as mudanças rápidas quanto as lentas em uma cena podem ser controladas para que a imagem resultante seja a mais otimizada possível em relação a brilho, contraste e outras propriedades de qualidade da imagem.
O AGC (controle de ganho automático) também controla se o mapeamento da saída do nível de sinal de 14 bits do sensor na imagem de 8 bits é feito linearmente ou por meio de uma curva de equalização de histograma. A equalização do histograma redistribui os níveis de sinais de entrada, o que resulta em um melhor contraste da imagem. Por exemplo, em uma cena com um fundo plano grande e um objeto pequeno, mas muito quente, uma curva linear desperdiçaria os níveis de sinais localizados entre o objeto e o fundo. A equalização do histograma garante que os níveis de sinal sejam gastos somente no fundo e nos objetos (e não nos níveis entre eles).
Nas câmeras térmicas da Axis, o modo padrão é uma equalização de histograma dinâmica que varia a quantidade de equalização realizada em função do sinal de entrada. Em cenas com sinal baixo, a curva resultante é quase linear, em quanto que em cenas com contraste elevado uma grande quantidade de equalização é feita. Isso significa que a câmera se beneficia da equalização nas cenas sempre que possível. E, quando há apenas ruído para melhorar, nenhuma equalização é feita.

Ângulo
O campo de visão, relativo a uma lente padrão em uma câmera estática de 35 mm, expresso em graus. Por exemplo, 30°. Para fins práticos, trata-se da área que pode ser coberta por uma lente, onde o ângulo de visão é determinado pela distância focal da lente. Uma lente grande-angular possui distância focal curta e cobre um ângulo de visão maior do que o das lentes padrão ou teleobjetivas, as quais possuem distâncias focais maiores.

ARP (Address Resolution Protocol) 
Esse protocolo é usado para associar um endereço IP a um endereço MAC de hardware. Uma solicitação é difundida na rede local para descobrir o endereço MAC de um endereço IP específico.

ARTPEC (Axis Real Time Picture Encoder)
Um chip de compactação de imagens desenvolvido pela Axis. O ARTPEC com o software associado oferece suporte a uma variedade de sensores CCD e CMOS, funcionalidade integrada de aumento da nitidez, compensação da luz de fundo, redução de ruído e balanço de branco, suporte a múltiplos streams Motion-JPEG, suporte a MPEG-4 Parte 2, até 30 quadros/segundo de 4 fontes de vídeo simultâneas e compactação em tempo real de até 45 Megapixels/segundo. 

ASIC (circuito integrado específicos de aplicação)
Um circuito desenvolvido para uma aplicação específica, ao contrário de um circuito de uso geral, como um microprocessador. 

Proporção
Uma relação entre a largura e a altura em imagens. Uma proporção muito usada em telas de televisão e monitores de computador é 4:3. As TVs de alta definição (HDTV) usam a proporção de 16:9.

Íris automática (ou DC-Iris)
Esse tipo especial de íris é controlado eletronicamente pela câmera para regular automaticamente a quantidade de luz que pode penetrar na câmera.

AVI (Audio Video Interleave)
Um formato de vídeo que oferece suporte à reprodução simultânea de áudio e vídeo. 

Bitmap
Um bitmap é um arquivo de dados que representa uma grade retangular de pixels. Ele define um espaço de exibição e uma cor para cada pixel (ou "bit") no espaço de exibição. Esse tipo de imagem é conhecido como "gráfico rasterizado". GIFs e JPEGs são exemplos de tipos de arquivos de imagem que contêm bitmaps. 

Como o bitmap usa esse método de rasterização fixo, ele não pode ser facilmente redimensionado sem perda de definição. Já as imagens gráficas vetoriais usam formas geométricas para representar a imagem, podendo ser rapidamente redimensionadas. 

Taxa de bits
A taxa de bits (em Kbit/s ou Mbit/s) é comumente chamada de velocidade, mas, na verdade, define o número de bits/unidade de tempo, e não distância/unidade de tempo. 

Bluetooth
Bluetooth é um padrão aberto para a transmissão sem fio de voz e dados entre dispositivos móveis (PCs, computadores handheld, telefones e impressoras).

Bonjour
Também conhecido como rede com configuração zero, o Bonjour permite a detecção automática de computadores, dispositivos e serviços em redes IP. O Bonjour permite que os dispositivos descubram automaticamente uns aos outros sem a necessidade de inserir endereços IP ou configurar servidores DNS. O Bonjour é desenvolvido pela Apple Computer Inc.

BOOTP (Bootstrap Protocol)
Um protocolo que pode configurar automaticamente um dispositivo de rede (atribuir um endereço IP).
O BOOTP é a base de um protocolo de gerenciamento de rede mais avançado, o Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP).

Banda larga
Em termos de engenharia de rede, descreve os métodos de transmissão onde dois ou mais sinais compartilham a mesma portadora. Em uma terminologia mais popular, banda larga significa transmissão de dados em alta velocidade.

CCD (dispositivo acoplado carregado)
Esse dispositivo de imagem sensível a luz usado em muitas câmeras digitais é um circuito integrado grande que contém centenas de milhares de pontos fotossensíveis (pixels) que convertem energia luminosa em sinais eletrônicos. Seu tamanho é medido diagonalmente e pode ser 1/4", 1/3", 1/2" ou 2/3". Leia mais: CCD versus CMOS

CGI (Common Gateway Interface)
Uma especificação para a comunicação entre um servidor Web e outros programas (CGI). Por exemplo, uma página HTML que contém um formulário poderia usar um programa CGI para processar os dados do formulário após ele ser enviado.

CIF (Common Intermediate Format)
CIF refere-se às resoluções de vídeo analógico 352 x 288 (PAL) e 352 x 240 pixels (NTSC). Consulte também Resolução.

Cliente/servidor
Cliente/servidor descreve o relacionamento entre dois programas de computador no qual um dos programas, o cliente, faz uma solicitação de serviço a outro programa, o servidor, que atende à solicitação. Tipicamente, diversos programas clientes compartilham os serviços de um programa servidor comum. Um navegador da Web é um programa cliente que solicita serviços (o envio de páginas Web ou arquivos) de um servidor Web.

CMOS (Complementary Metal Oxide Semiconductor)
Um CMOS é um tipo de semicondutor amplamente utilizado que contém circuitos negativos e positivos. Como somente um dos tipos de circuitos está ativo em um determinado momento, os chips CMOS requerem menos energia que os chips que utilizam apenas um tipo de transistor. Os sensores de imagem CMOS também permitem que os circuitos de processamento sejam incluídos no mesmo chip, uma vantagem que não é possível com os sensores CCD, os quais também têm um custo de produção muito maior. Leia mais: CCD versus CMOS

Cabo coaxial
O cabo coaxial é o método padrão de transmissão de vídeo analógico em um sistema de CCTV. O cabo coaxial também é usado por empresas de cabo para distribuir sinal de TV em prédios residenciais.

Codec
Em engenharia de comunicações, um codec é normalmente um codificador/decodificador. Os codecs são usados em circuitos integrados ou chips que convertem, por exemplo, sinais de vídeo e áudio analógicos em um formato digital para transmissão. O codec também converte os sinais digitais recebidos de volta em um formato analógico. Um codec utiliza conversão analógica-digital e conversão digital-analógica no mesmo chip. 

Codec também pode significar compactação/descompactação. Nesse caso, o termo é geralmente usado para denotar um algoritmo ou programa de computador par reduzir o tamanho de arquivos e programas grandes.

Vídeo composto
Um tipo de sinal de vídeo no qual os sinais de vermelho, azul e verde (e, algumas vezes, sinais de áudio também) são misturados juntos.

Compactação
Consulte Compactação de imagem.

Contraste 
Define o grau de diferença entre as partes mais claras e mais escuras de uma imagem ou stream de vídeo.

Unidade de controle
Se um sistema de CCTV tiver mais de uma câmera, uma forma de controlar os sinais de vídeo enviados para os gravadores e monitores será necessária. Existem três tipos básicos de unidade de controle de vídeo: multiplexador, switch e Quad.

DC-Iris
Esse tipo especial de íris é controlado eletronicamente pela câmera para regular automaticamente a quantidade de luz que pode penetrar na câmera.

Decodificador
Consulte Decodificador de vídeo. 

Desentrelaçamento
Consulte Entrelaçamento.

Alcance da detecção
Uma das tarefas principais das câmeras térmicas é detectar invasores em distâncias longas. Para especificar o alcance de detecção de uma câmera — a distância na qual a câmera pode detectar um objeto em perfeitas condições —, a Axis usa os critérios de Johnson.
Alcance da detecção de acordo com os critérios de Johnson.
A resolução necessária para detectar um objeto é estabelecida em pixels e determinada por meio dos critérios de Johnson. John Johnson, um cientista militar dos EUA, desenvolveu este método para prever o desempenho de sistemas de sensores nos anos 1950. Um objeto pode ser uma pessoa — em geral, definida com largura crítica de 0,75 m (2,46 ft) ou um veículo — geralmente definido com comprimento crítico de 2,3 m (7,55 ft). Johnson mediu a capacidade de observadores identificarem modelos em escala sob várias condições e então propôs critérios para a resolução mínima necessária. Esses critérios fornecem uma probabilidade de 50% de um observador diferenciar um objeto no nível especificado. Para um sensor térmico, a diferença de temperatura entre o objeto e seu plano de fundo precisa ser pelo menos 2 °C (3,6 °F) de acordo com os critérios de Johnson. Os níveis dos critérios de Johnson usados para as câmeras de rede térmicas Axis são os seguintes:

  • Pelo menos 1,5 pixel é necessário para a detecção (quando o observador pode ver que um objeto está presente).
  • Pelo menos 6 pixels são necessários para o reconhecimento (quando o observador pode diferenciar o objeto. Por exemplo, uma pessoa em frente a uma cerca).
  • Pelo menos 12 pixels são necessários para identificação (quando o observador pode diferenciar o objeto e características do objeto. Por exemplo, uma pessoa segurando um pé-de-cabra).

Os critérios de Johnson foram desenvolvidos sob a premissa de que informações visíveis são processadas por um observador humano. No entanto, se as informações forem processadas por algoritmo de aplicativo, haverá requisitos específicos sobre o número de pixels necessários no alvo para a operação confiável. Todos os algoritmos de software de análise de vídeo precisam trabalhar com um número específico de pixels, mas o número exato de pixels pode variar. Mesmo se um observador humano for capaz de detectar o objeto, o algoritmo aplicativo muitas vezes precisará de um número de pixels maior em uma determinada faixa de detecção para trabalhar corretamente.

DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol)
O DHCP é um protocolo que permite que os administradores de rede automatizem e gerenciem centralmente a atribuição de endereços IP (Internet Protocol) a dispositivos de rede. 

O DHCP usa o conceito de "concessão", ou quantidade de tempo que um determinado endereço IP será válido para um computador. O tempo de concessão pode variar dependendo do quanto provável é um usuário necessitar da conexão de rede em um local específico. 

O DHCP também oferece suporte a endereços estáticos, por exemplo, no caso de computadores que executam servidores Web – os quais necessitam de endereços IP permanentes.

DNS (Domain Name System)
Um DNS é usado para localizar e converter nomes de domínios da Internet em endereços IP (Internet Protocol). Um nome de domínio é um nome significativo e fácil de lembrar para um endereço Internet. Por exemplo, o nome de domínio www.exemplo.com é muito mais fácil de lembrar que 192.0.34.166. As tabelas de conversão dos nomes de domínio são hospedadas pelos servidores de nomes de domínios.

Servidor de domínio
Domínios também podem ser usados por organizações que desejam centralizar o gerenciamento de seus computadores (Windows). Cada usuário em um domínio possui uma conta que normalmente permite que eles façam login e usem qualquer computador no domínio, embora restrições também possam ser aplicadas. O servidor de domínio é o servidor que autentica os usuários na rede. 

Duplex
Consulte Full-duplex.

Espectro eletromagnético
Fora da faixa de luz visível, podemos encontrar luz infravermelha (IR) e luz ultravioleta (UV), ambas não detectadas pelo olho humano. Os sensores de câmeras visuais podem detectar alguma luz quase infravermelha (NIR), desde 700 nanômetros até cerca de 1000 nanômetros. Se essa luz não for removida por um filtro, poderá distorcer as cores da imagem. Assim, uma câmera visual é equipada com um filtro — um pedaço de vidro óptico colocado entre a lente e o sensor de imagem. Esse bloqueio de IR é comumente chamado de filtro de corte de IR. Ele remove a luz quase infravermelha e entrega as mesmas interpretações de cores que são produzidas pelo olho humano.

O filtro de corte de IR pode ser removido para estender a capacidade de uma câmera visual a fim de produzir imagens de qualidade em situações de pouca luz ou no escuro. Isso permite que os sensor de imagem da câmera use a luz quase infravermelha para gerar imagens em preto e branco de alta qualidade. As câmeras capazes de utilizar luz quase infravermelha são muitas vezes vendidas como "câmeras dia e noite" ou "câmeras sensíveis a IR". Isso não significa que essas câmeras sejam capazes de produzir imagens infravermelhas sensíveis ao calor. Imagens infravermelhas necessitam de câmeras infravermelhas reais especializadas na detecção de luz infravermelha com comprimento de onda long (LWIR) irradiada por objetos vivos ou inanimados. Nas imagens infravermelhas, objetos mais quentes (como pessoas e animais) de destacam de fundos tipicamente mais frios. As câmeras infravermelhas verdadeiras são chamadas de câmeras térmicas.

Como todas as câmeras, uma câmera de alarme de temperatura ou térmica coleta a radiação eletromagnética, que é então transformada em uma imagem. No entanto, enquanto uma câmera convencional trabalha na faixa da luz visível (com comprimentos de onda entre aproximadamente 400 e 700 nanômetros [0,4–0,7 μm]), uma câmera térmica foi projetada para detectar radiação com comprimentos de onda mais longos. As câmeras térmicas normalmente funcionam no domínio do infravermelho com comprimento de onda médio (MWIR, aproximadamente 3 – 5 µm) ou no domínio do infravermelho com comprimento de onda longo (LWIR, 8 – 14 µm).

Os sensores de microbolômetro sem resfriamento usados pela Axis (e quase todos os sensores de microbolômetro) trabalham no espectro LWIR, tipicamente definido como entre 8 – 14 µm. Essa também é a região de comprimentos de onda em que objetos vivos (como os humanos) apresentam seu pico na curva de Plank. Esse é um dos motivos por que as câmeras térmicas são tão boas para detectar humanos.

Emissividade
Todos os objetos com temperatura acima do zero absoluto (0 Kelvin [0 K, 273 °C ou 459 °F]) emitem radiação infravermelha. Até mesmo objetos frios, como gelo, emitem radiação infravermelha, desde que sua temperatura seja superior a -273 °C. Quanto mais quente é um objeto, mais radiação térmica ele emite. Quanto maior a diferença de temperatura entre um objeto e o ambiente que o cerca, mais claras serão as imagens térmicas. No entanto, o contraste de uma imagem térmica não depende somente da temperatura, mas também da emissividade do objeto.

A emissividade (e) de um material é uma medida da sua capacidade de absorver e emitir energia térmica radiante. A emissividade é altamente dependente de propriedades do material, como a condutividade térmica (uma medida do quanto bem um material conduz calor). Toda a radiação absorvida por uma superfície deve, eventualmente, ser emitida dessa superfície. Todos os materiais possuem emissividade entre 0 e 1. O chamado "corpo negro" absorve toda a radiação incidente e possui e = 1, enquanto que materiais mais refletivos possuem valores menores de e. A maioria dos materiais — como madeira, concreto, pedra, pele humana e vegetação — possui alta emissividade (0,9 ou superior) na região LWIR. Por outro lado, a maioria dos metais possui emissividade baixa (0,6 ou menos) dependendo do acabamento superficial. Quanto mais brilhante a superfície, menor a emissividade.

A radiação térmica que não é absorvida por um material é refletida. Quanto maior a energia refletida, maiores são os riscos de resultados de medição interpretados incorretamente. Para evitar leituras incorretas, é importante selecionar um ângulo de medição da câmera que minimize as reflexões. Se um material se comporta como um espelho no espectro visual, ele normalmente se comporta como um espelho na região LWIR também. Pode ser difícil monitorar esse material, pois a leitura de temperatura pode ser influenciada por outros objetos refletidos no objeto monitorado. Em geral, as câmeras com alarme de temperatura Axis funcionam melhor com objetos de alta emissividade (acima de 0,9), mas objetos com emissividade mais baixa (acima de 0,5) poderão ser considerados se a configuração da medição for cuidadosamente escolhida.

Deve-se considerar que alarmes falsos podem ocorrer, por exemplo, quando uma zona de alarme é definida ao redor de uma entrada ou porta de vidro e uma pessoa que está passando é refletida no vidro. Essa reflexão é o suficiente para acionar o alarme. Casos semelhantes podem ocorrer com reflexões em água ou poças.

Codificador
Consulte Codificador de vídeo.

Ethernet
Ethernet é a tecnologia de rede local mais instalada em todo o mundo. Uma LAN Ethernet utiliza categorias especiais de fios de par trançado. Os sistemas Ethernet mais comumente instalados são o 10BASE-T e 100BASE-T10, os quais proporcionam velocidades de transmissão de até 10 Mbps e 100 Mbps, respectivamente. Leia mais: Redes IP

ETRAX (Ethernet Token Ring AXIS)
O chip ETRAX é o alicerce da tecnologia Axis e o "cérebro" em quase todos os produtos Axis. Trata-se de um chip Linux multifuncional com rede Ethernet integrada e opções de E/S extremamente flexíveis. 

Zona de exposição
Para otimizar o desempenho de detecção de uma câmera térmica, é importante definir corretamente a opção de zona de exposição em função da cena. Não é vantajoso calcular o histograma da cena inteira se a cena inteira não for interessante para a aplicação. Fazer isso poderá fazer com que os níveis de cor sejam distribuídos por objetos que não são de interesse. Para resolver esse problema, a configuração de zona de exposição deve ser definida para a área de interesse. A zona de exposição significa que a câmera otimiza somente a imagem para a região de interesse definida e ignora outras partes da imagem, mesmo que isso signifique que elas desapareçam totalmente. Fazer isso corretamente é extremamente importante e pode afetar imensamente o desempenho de detecção da câmera, mesmo quando a imagem como um todo parece boa.

Configurações padrão de fábrica
Essas são as configurações originalmente aplicadas a um dispositivo quando ele foi fornecido pela fábrica. Em caso de necessidade de redefinir um dispositivo para suas configurações de fábrica, isso irá, em muitos dispositivos, redefinir totalmente quaisquer configurações que foram alteradas pelo usuário. 

Firewall
Um firewall funciona como barreira entre redes, ou seja, entre uma rede local e a Internet. O firewall garante que somente pessoas autorizadas tenham acesso a uma rede a partir de outra. O firewall pode existir na forma de software executado em um computador ou na forma de um dispositivo de hardware independente. 

Íris fixa
Em ambientes internos, onde os níveis de luz podem ser constantes, uma lente com íris fixa pode ser usada. Em lentes com íris fixa, a abertura da íris não pode ser ajustada e é fixada em um determinado número f. A câmera pode compensar por alterações no nível de luz mediante o ajuste do tempo de exposição ou do ganho.

Distância focal 
Medida em milímetros, a distância focal da lente de uma câmera determina a largura do campo de visão horizontal que, por sua vez, é medido em graus.

FTP (File Transfer Protocol)
O FTP é um protocolo de aplicativo executado sobre os protocolos TCP/IP que é usado para trocar informações entre computadores/dispositivos em rede. 

Quadro
Um quadro é uma imagem de vídeo completa. No formato de varredura entrelaçada de 2:1 dos 
formatos RS-170 e CCIR, um quadro é composto por até dois campos separados de 262,5 ou 312,5 linhas a 60 ou 50 Hz para formar um quadro completo, o qual aparece a 30 ou 25 Hz. Nas câmeras de vídeo com varredura progressiva, cada quadro é lido linha por linha, e não entrelaçado. A maioria também é exibida a 30 e 25 Hz.

Taxa de quadros
A taxa de quadros é usada para descrever a frequência na qual um stream de vídeo é atualizado e é medida em quadros por segundo (fps). Uma taxa de quadros mais elevada é vantajosa quando há movimento no stream de vídeo, pois ela ajuda a manter a qualidade da imagem. Leia mais: Controle da taxa de quadros

Full-duplex
A transmissão de dados em duas direções ao mesmo tempo. Em um sistema de áudio, isso descreveria, por exemplo, um sistema telefônico. Um sistema half-duplex também oferece comunicação bidirecional, mas apenas em uma direção de cada vez, como em um walkie-talkie. Consulte também Simplex. Leia mais: Áudio

Ganho
Ganho é o fator de amplificação e a extensão na qual um amplificador analógico aumenta a intensidade de um sinal. Os fatores de amplificação são normalmente expressos em termos de potência. O decibel (dB) é a forma mais comum de quantificar o ganho de um amplificador. 

Gateway
Um gateway é um ponto em uma rede que atua como ponto de entrada para outra rede. Em uma rede corporativa, por exemplo, um computador servidor atuando como gateway frequentemente também funciona como servidor proxy e servidor de firewall. Um gateway é muitas vezes associado a um roteador, que sabe para onde direcionar um determinado pacote de dados que chega no gateway, que fornece o caminho real de entrada e saída do gateway para um determinado pacote.

GIF (Graphics Interchange Format)
GIF é um dos formatos de arquivo mais comumente usados em imagens em páginas da Web. Há duas versões do formato, 87 a e 89a. A versão 89a oferece suporte a animações, por exemplo, uma sequência curta de imagens em um único arquivo GIF. O formato GIF89a também pode ser especificado para apresentações entrelaçadas.

GOV (Grupo de VOPs)
Um grupo de VOPs é a unidade básica de um stream de vídeo H.264. O GOV contém diferentes tipos e números de VOPs (I-VOPs, P-VOPs, etc.) conforme determinado pelo tamanho e pela estrutura do GOV. Consulte também VOP.

Tamanho do GOV
O tamanho do GOV determina o número de imagens (VOPs) na estrutura do GOV. Consulte também GOV e VOP.

Estrutura do GOV
A estrutura do GOV descreve a composição de um stream de vídeo H.264 em relação ao tipo das imagens (I-VOPs ou P-VOPs) incluídas no stream, bem como sua ordem interna. Consulte também GOV e VOP.

H.264
Também conhecido como MPEG-4 Parte 10. O padrão de compactação de vídeo digital da nova geração. O H.264 oferece resolução de vídeo mais alta que o Motion JPEG ou MPEG-4 nas mesmas taxa de bits e largura de banda, ou a mesma qualidade de vídeo em taxas de bits menores. 

Half-duplex
Consulte Full-duplex. 

HDTV (TV de alta definição)
A HDTV oferece uma resolução até cinco vezes maior que a TV analógica padrão. A HDTV oferece uma maior fidelidade de cores e formato 16:9. Os dois padrões de HDTV mais importantes atualmente são o SMPTE 296M e o SMPTE 274M, ambos definidos pela Society of Motion Picture and Television Engineers, SMPTE. Leia mais: HDTV

HTML (Hypertext Markup Language)
HTML é o conjuntos de símbolos ou códigos de "markup" (marcação) inseridos em um arquivo para exibição em um navegador da Web. A marcação informa ao navegador como exibir as palavras e imagens da página para o usuário.

HTTP (Hypertext Transfer Protocol)
HTTP é o conjunto de regras para troca de arquivos (texto, imagens gráficas, som, vídeo e outros arquivos multimídia) na Web. O protocolo HTTP é executado em cima do conjunto de protocolos TCP/IP.

HTTPS (Hypertext Transfer Protocol sobre SSL)
O HTTPS é um protocolo da Web usado por navegadores e servidores da Web para criptografar e descriptografar solicitações de páginas feitas pelos usuários e as páginas devolvidas pelo servidor. 

A troca de informações de criptografia é regida pelo uso de um certificado HTTPS (emitido por uma Autoridade de certificação) que garante a autenticidade do servidor.

Em particular, e sem limitações, alguns produtos Axis incluem software desenvolvido pelo OpenSSL Project para uso no OpenSSL Toolkit (http://www.openssl.org/) e software de criptografia desenvolvido por Eric Young (eay@cryptsoft.com). 

Hub
Um hub (de rede) é usado para conectar múltiplos dispositivos a uma rede. O hub transmite todos os dados para todos os dispositivos conectados a ele, enquanto que um switch apenas transmite os dados para o dispositivo ao qual eles se destinam.

IEEE 802.11
Uma família de padrões para LANs sem fio. O padrão 802.11 oferece suporte à transmissão de 1 ou 2 Mbit/s na faixa de 2,4 GHz. O IEEE 802.11b oferece suporte a taxas de dados de até 11 Mbit/s na faixa de 2,4 GHz, enquanto que o 802.11g permite até 54 Mbit/s na faixa de 5 GHz

Em particular, e sem limitações, alguns produtos Axis incluem software desenvolvido pelo OpenSSL Project para uso no OpenSSL Toolkit (http://www.openssl.org/) e software de criptografia desenvolvido por Eric Young (eay@cryptsoft.com). 

Compactação de imagem
A compactação de imagem minimiza o tamanho do arquivo (em bytes) de uma imagem. Dois dos formatos de imagem compactada mais comuns são JPEG e GIF. Consulte também MPEG e Motion JPEG. Leia mais: Padrões de compactação

Entrelaçamento
Vídeo entrelaçado é o vídeo capturado a 50 imagens (conhecidas como campos) por segundos, onde cada 2 campos consecutivos (a meia altura) são combinados em 1 quadro. O entrelaçamento foi desenvolvido há muitos anos para o mundo da TV analógica e ainda é amplamente utilizado. Ele proporciona bons resultados na exibição de movimento em imagens de TV padrão, embora sempre haja algum grau de distorção na imagem.

Para exibir vídeo entrelaçado, por exemplo, em um monitor de computador, o vídeo deve antes ser desentrelaçado para produzir vídeo progressivo, o que consiste em imagens completas, uma após a outra, a 25 quadros por segundo. Consulte também Varredura progressiva. Leia mais: Varredura progressiva versus entrelaçada

IP (Internet Protocol)
O Internet Protocol é um método de transmissão de dados via rede. Os dados a serem enviados são divididos em "pacotes" individuais totalmente independentes. Cada computador (ou host) na Internet possui ao menos um endereço que o diferencia de forma exclusiva de todos os outros, e cada pacote de dados contém tanto o endereço do emissor quanto o endereço do receptor. 

O Internet Protocol garante que todos os pacotes de dados cheguem no endereço pretendido. Como o IP é um protocolo sem conexão, o que significa que não há conexão estabelecida entre os ponto extremos da comunicação, os pacotes podem ser enviados por rotas diferentes e não precisam chegar ao destino na ordem correta. 

Quando os pacotes de dados chegam no destino correto, outro protocolo — o Transmission Control Protocol (TCP) — coloca-os na ordem correta. Consulte também TCP.

Endereço IP
Um endereço IP é simplesmente um endereço em uma rede IP usado por um computador/dispositivo conectado a essa rede. Os endereços IP permitem que todos os computadores/dispositivos conectados encontrem uns aos outros e transmitam dados entre eles. 

Para evitar conflitos, cada endereço IP em uma determinada rede deve ser único. Um endereço IP pode ser atribuído como fixo, para não mudar, ou dinamicamente (e de forma automática) via DHCP. 

Um endereço IP consiste em quatro grupos (ou blocos) de dígitos decimais separados por pontos, por exemplo, 130.5.5.25. As diferentes partes do endereço representam coisas diferentes. Algumas partes representam o número de rede ou endereço, e outras representam o endereço da máquina local. Consulte também IP (Internet Protocol).

Câmera IP
Os termos câmera IP, câmera de rede e câmera Internet referem-se à mesma coisa: uma câmera e um computador combinados em uma unidade. Ela opera como uma unidade autônoma e requer apenas uma conexão com a rede. Leia mais: O que é uma câmera de rede?

Infravermelho (IR)
Radiação infravermelha é a radiação com um comprimento de onda maior do que o da luz visível, o que significa que ela não pode ser vista pelo olho humano. Como a radiação infravermelha pode ser detectada na forma de calor, ela pode ser mostrada em uma tela ou capturada por uma câmera digital, onde objetos mais quentes são mostrados com mais brilho em relação aos arredores mais frios (por exemplo, o corpo humano contra um fundo mais frio). 

Como as câmeras coloridas podem "enxergar" a radiação infravermelha tão bem quanto a luz visível, essas câmeras são equipadas com um filtro de corte de infravermelho para prevenir a distorção das cores que o olho humano é capaz de enxergar. Quando a câmera é usada em locais muito escuros ou à noite, esse filtro pode ser removido para permitir que a radiação infravermelha chegue até o sensor de imagem para produzir imagens. 

Lâmpadas infravermelhas podem ser usadas para aprimorar a iluminação para vigilância noturna sem produzir nenhuma luz visível adicional. 

Entradas/saídas (E/S)
As E/S digitais em, por exemplo, uma câmera de rede, podem ser usadas para conectar qualquer dispositivo capaz de alternar entre um circuito aberto e um fechado. 

Se, por exemplo, uma chave de porta fosse usada como dispositivo de entrada, abrir a porta poderia acionar o carregamento de imagens de vídeo e o envio de mensagens de notificação.
Uma saída poderia então ser usada para disparar automaticamente uma sirene no caso do acionamento de uma detecção por movimento.

Tempo de integração
Um pixel formado por um sensor de microbolômetro sem resfriamento mede a variação na resistência. Quando a resistência muda, a corrente também muda. Ao usar um circuito de leitura específico (ROC ou ROIC) que inclua um conversor de corrente em tensão, é possível medir as alterações de tensão. A alteração da corrente é integrada e, após um determinado período de integração, a alteração na tensão do sinal é disponibilizada como saída. Esse tempo de integração do sensor depende tanto da taxa de atualização (taxa de quadros) quanto do número de pixels. Os pixels de uma linha ou coluna (dependendo do sensor e da construção do ROIC) são lidos simultaneamente. Assim, o tempo de integração máximo de um sensor de microbolômetro deve ser menor que a razão entre o tempo do quadro e o número de linhas/colunas.

ISMA (Internet Streaming Media Alliance)
A ISMA criou uma especificação para facilitar a interoperabilidade entre diferentes clientes e servidores na transmissão de MPEG-4 em uma rede. Consulte: www.isma.tv

I-VOP
Consulte VOP.

JPEG (Joint Photographic Experts Group)
Assim com o formato de arquivo GIF, o JPEG é um tipo de arquivo de imagem comumente usado na Web. Uma imagem JPEG é um bitmap e, normalmente, possui a extensão de arquivo ".jpg" ou ".jpeg". O nível de compactação usado pode ser configurado durante a criação da imagem JPEG. Como a compactação mais baixa (ou seja, a melhor qualidade) resulta no maior arquivo, há um compromisso entre qualidade da imagem e tamanho do arquivo. 

Kbit/s (quilobits por segundo)
Uma medida da taxa de bits, ou seja, a taxa na qual os bits passam por um ponto específico. Consulte também Taxa de bits.

LAN (Rede local)
Uma LAN é um grupo de computadores e dispositivos associados que compartilham recursos comuns dentro de uma área geográfica limitada.

Lentes
Uma lente (ou um conjunto de lente) tem várias funções. Entre elas:

  • Definir o campo de visão — quanto da cena será capturado e o nível de detalhes da captura.
  • Controlar a quantidade de luz que atinge o sensor de imagens para que uma imagem seja corretamente exposta.

O foco é obtido ajustando-se qualquer um dos elementos no conjunto da lente, ou a distância entre os conjuntos de lentes e o sensor de imagens.

Lentes atermalizadas
Há várias propriedades de materiais de um sistema de câmera que são afetadas pelas condições térmicas ambientais. Devido a esses efeitos, o foco dos sistemas ópticos é afetado quando a temperatura muda. Mais precisamente, o sistema óptico pode perder o foco em função das mudanças na temperatura. Como as câmeras de segurança são normalmente implantadas em ambientes com grandes variações na temperatura, é muito importante que o sistema óptico não seja sensível a variações térmicas no ambiente. Isso é particularmente crítico na região de comprimento de onda infravermelho. Um design de sistema óptico atermalizado passivo é então uma necessidade para aplicações de segurança com câmeras térmicas. A correspondência do material da lente com o material do gabinete óptico é um exemplo de design de lente atermalizado passivo. Dependendo da complexidade do sistema óptico, há vários designs de sistema óptico com atermalização passiva.

Sensibilidade a luz
Consulte Iluminação mínima. 

Linux
O Linux é um sistema operacional de código aberto pertencente à família Unix. Devido à sua robustez e à disponibilidade, o Linux conquistou popularidade na comunidade de código aberto e entre os desenvolvedores de aplicativos comerciais.

Lux
Uma unidade padrão para a medição de iluminação.

Endereço MAC (endereço de Media Access Control)
Um endereço MAC é um identificador exclusivo associado a um equipamento de rede ou, mais especificamente, à sua interface com a rede. Por exemplo, a placa de rede de um computador possui seu próprio endereço MAC. 

Íris manual
O oposto da íris automática, ou seja, a íris da câmera deve ser ajustada manualmente para regular a quantidade de luz que pode chegar ao sensor de imagem.

Mbit/s (Megabits por segundo)
Uma medida da taxa de bits, ou seja, a taxa na qual os bits passam por um ponto específico. Ela é comumente usada para fornecer a "velocidade" de uma rede. Uma LAN pode operar a 10 ou 100 Mbit/s. Consulte também Taxa de bits.

Microbolômetro
Embora haja vários tipos de microbolômetros, dois dos principais tipos de microbolômetros sem resfriamento são o VOx e o a-Si. Usar um ou outro não afeta as imagens térmicas. Cada microbolômetro forma um pixel.

Iluminação mínima
A menor quantidade de luz necessária para a câmera produzir uma imagem de qualidade utilizável. A iluminação mínima é apresentada em lux (lx), que é uma medida de luminância. Em geral, desde que não seja superexposta, a imagem terá uma qualidade melhor se houver mais luz disponível na cena. Se a quantidade de luz for insuficiente, a imagem será ruidosa ou escura. A quantidade de luz necessária para produzir uma imagem de boa qualidade depende da câmera e de quanto sensível à luz ela é.  

Monitor
Um monitor é muito semelhante a um aparelho de televisão padrão, mas não contém os circuitos necessários para captar os sinais de TV normais.

Motion JPEG
Motion JPEG é uma técnica de compactação/descompactação simples para vídeo em rede. A latência é baixa e a qualidade da imagem é garantida, independentemente da quantidade de movimento ou da complexidade da imagem. A qualidade da imagem é controlada ajustando-se o nível de compactação que, por sua vez, permite controlar o tamanho do arquivo e, consequentemente, a taxa de bits.
Imagens individuais de alta qualidade do stream Motion JPEG podem ser facilmente extraídas. Consulte também JPEG e GIF. Leia mais: Padrões de compactação

Megapixel
Consulte Pixel.

MPEG (Moving Picture Experts Group)
O Moving Picture Experts Group desenvolve padrões para a compactação digital de vídeo e áudio. Ele opera sob os auspícios da International Organization for Standardization (ISO). Os padrões MPEG são uma série em evolução, cada um desenvolvido para um objetivo diferente. Leia mais: Padrões de compactação

MPEG-2
MPEG-2 é a designação para um grupo de padrões de codificação de áudio e vídeo. Ele é normalmente usado para codificar áudio e vídeo de sinais de difusão, incluindo TV a cabo e por satélite digital. O MPEG-2, com algumas modificações, também é o formato de codificação usado em filmes em DVDs comerciais padrão. Leia mais: Padrões de compactação

MPEG-4
MPEG-4 é um grupo de padrões de codificação de áudio e vídeo e tecnologias relacionadas. Os usos principais do padrão MPEG-4 são Web (streaming de mídia) e distribuição de CDs, conversacional (videofone) e broadcast de televisão.
A maioria dos recursos incluídos no MPEG-4 é deixada para que desenvolvedores individuais decidam o que será implementado ou não. Isso significa que provavelmente não há implementações completas do conjunto completo de padrões MPEG-4. Para lidar com isso, o padrão inclui o conceito de "perfis" e "níveis", permitindo que um conjunto específico de recursos seja definido de uma forma apropriada para um subconjunto de aplicações. Leia mais: Padrões de compactação

Multicast
Tecnologia de conservação de largura de banda que reduz o uso de largura de banda ao entregar simultaneamente um único stream de informações para vários destinatários de rede. Consulte também Unicast.

Multiplexador
Um multiplexador é um switch de alta velocidade que fornece imagens em tela cheia de até 16 câmeras analógicas. Os multiplexadores podem exibir tudo o que aconteceu em qualquer uma das câmeras sem nenhuma interferência causada pelas demais câmeras no sistema.

NETD
Acrônimo em inglês de Noise Equivalent Temperature Difference, ou diferença de temperatura equivalente a ruído. É a medida mais comum para classificar o desempenho de um sensor térmico. A NETD define o limite de ruído no qual objetos com diferença de temperatura abaixo desse valor desaparecerão no ruído e objetos com diferenças acima desse valor serão visíveis. Quanto menor a NETD, melhor.

Por exemplo, se um sensor possui uma NETD de 50 mK, isso significa que diferenças nas temperaturas abaixo de 50 mK desaparecerão no ruído do sensor e não poderão ser vistas.

No entanto, a NETD tem duas grandes desvantagens. Primeiro, há algumas formas diferentes de calcular a NETD que nem sempre produzem o mesmo resultado. E a NETD também pode ser calculada em temperaturas ambientes diferentes e/ou com números F diferentes, o que produz resultados distintos. Um segundo problema é que a especificação de valores de NETD pode não incluir ruído espacial. Isso significa que a NETD poderá ser baixa mesmo se a imagem for bastante ruidosa.
É importante considerar esses fatores quando valores de NETD de diferentes sensores são comparados. Ela é o valor mais comum usado para comparar sensores, mas ela não conta a história toda. Também é importante lembrar que, embora a NETD seja principalmente um método para comparar sensores, ela é muitas vezes usada para comparar câmeras. Isso é ainda mais difícil, visto que muitos outros fatores podem afetar o desempenho real da câmera. Por exemplo, a NETD não leva em consideração o quão bem uma câmera está em foco; câmeras fora de foco também podem obter um bom valor de NETD.
Concluindo, a NET é uma medição da relação entre sinal e ruído para sensores térmicos. Quanto menor melhor, mas é importante lembrar que pode ser difícil comparar somente a NETD ao comparar o desempenho de câmeras.

Conectividade de rede
A conexão física (com ou sem fio) e lógica (protocolo) de uma rede de computadores ou de um dispositivo individual a uma rede, como a Internet ou uma LAN.

NTSC (National Television System Committee)
NTSC é um sistema de codificação de cores analógico usado em sistemas de televisão no Japão, nos Estados Unidos e em outras partes das Américas. O NTSC define o sinal de vídeo usando 525 linhas de TV por quadro a uma taxa de atualização igual a 30 quadros por segundo. Consulte também PAL.

NUC
Sensores de microbolômetro sem resfriamento normalmente possuem grandes não uniformidades devido às variações no processo de fabricação. Isso significa que dois pixels não uniformes representariam informações de temperatura de forma diferente. Eles também são muito sensíveis a alterações nas condições ambientes e quando a temperatura sofre alteração, ruído é induzido. Isso descreve a si mesmo como uma variação espacial sobre o sensor tanto para o desvio quanto para a capacidade de resposta. Além disso, há também diferenças devido às imagens ópticas, por exemplo, diferentes campos de visão dos pixels. Todas essas diferenças precisam ser corrigidas para que o sinal de saída para um sinal de entrada homogêneo seja o mais uniforme possível. O nome comum para tal algoritmo de suavização é correção não uniforme (NUC).
Uma forma de corrigir algumas não uniformidades é usar um obturador mecânico móvel localizado entre o sensor e a óptica. Dependendo das características do sistema da câmera, esse obturador é condicionalmente movido para bloquear o campo de visão inteiro e uma imagem é obtida. A imagem do obturador que é obtida é então incluída no algoritmo de NUC para remover esse ruído induzido. As condições para quando uma imagem do obturador deve ser obtida variam de um algoritmo para outro e de sistema de câmera para sistema de câmera, mas é muitas vezes controlada por um sensor de temperatura interno e/ou um temporizador. Essa correção de imagem é sempre feita em tempo de execução, inclusive o congelamento da imagem. 

OEM (Original Equipment Manufacturer)
Uma designação para empresas que fabricam equipamentos que são comercializados e vendidos por outras empresas sob seus próprios nomes.

ONVIF (Open Network Video Interface Forum)
O ONVIF é um fórum aberto do setor para o desenvolvimento de um padrão global para a interface de produtos de vídeo em rede. Leia mais: ONVIF

PAL (Phase Alternating Line)
PAL é um sistema de codificação de cores analógico usado em sistemas de televisão na Europa e em muitas outras partes do mundo. O PAL define o sinal de vídeo usando 625 linhas de TV por quadro a uma taxa de atualização igual a 25 quadros por segundo. Consulte também NTSC.

PEM (Privacy Enhanced Mail)
Um antigo padrão para a proteção de correio eletrônico. O formato PEM é muitas vezes usado para representar um certificado HTTPS ou uma solicitação de certificado.

Ping 
O ping é um programa de rede básico usado em diagnósticos para verificar o status de um host ou dispositivo de rede. Ele pode ser usado para determinar se um endereço de rede específico (endereço IP ou nome de host) está ocupado ou não, ou para saber se esse endereço está respondendo normalmente. O ping pode ser executado no prompt de comandos do Windows ou na linha de comandos no Unix, por exemplo.

P-Iris
O P-Iris é um controle de íris preciso e automático desenvolvido pela Axis Communications da Suécia e a Kowa Company do Japão. Ele envolve uma lente P-Iris e software especializado que otimiza a qualidade da imagem. Leia mais: Tipos de controle de íris

Pixel (elemento de imagem)
Um pixel é um dos muitos pequenos pontos que compõem uma imagem digital. A cor e a intensidade de cada pixel representam uma área muito pequena da imagem completa. 

Passo de pixels
O passo de pixels é a distância entre os centros dos pixels. Um passo de pixels menor significa um tamanho de sensor menor para a mesma resolução. Assim, um conjunto óptico menor pode ser usado. Isso é especialmente importante em câmeras térmicas, já que o material mais comum usado na fabricação das lentes de câmeras térmicas (germânio) é muito caro. O lado negativo dos pixels menores é que menos energia chega a cada pixel. Em teoria, pixels maiores recebem mais energia. Mas, no final, o desempenho do sensor dependerá muito do design o pixel.

PoE (Power over Ethernet)
O Power over Ethernet fornece energia elétrica para um dispositivo de rede através do mesmo cabo usado para a conexão de rede. Isso é muito útil em aplicações de monitoramento remoto e vigilância IP em locais em que pode não ser prático ou caro alimentar o dispositivo com uma tomada. Leia mais: Power over Ethernet

PPP (Point-to-Point Protocol)
Um protocolo que usa uma interface serial para estabelecer comunicação entre dois dispositivos de rede. Por exemplo, um PC conectado via linha telefônica a um servidor. 

PPTP (Point-to-Point Tunneling Protocol)
Um protocolo que permite às corporações estender suas próprias redes corporativas por meio de "túneis" virtuais via Internet pública. Dessa forma, uma corporação pode efetivamente usar uma WAN (rede de longa distância) como se fosse uma única LAN (rede local) grande. Esse tipo de interconexão é conhecido como rede privada virtual (VPN). 

Imagens pré/pós alarme
As imagens de imediatamente antes e imediatamente após um alarme. Essas imagens são armazenadas em um buffer para recuperação posterior.

Máscara de privacidade
O recurso de máscaras de privacidade é oferecido na maioria das câmeras dome PTZ Axis. Ele permite que áreas selecionadas de uma cena sejam bloqueadas ou mascaradas para exibição e gravação. Ele permite que o mascaramento seja mantido, mesmo se o campo de visão da câmera mudar em função de uma alteração no pan, tilt e zoom, pois a máscara é movida com o sistema de coordenadas da câmera.

Varredura progressiva
A varredura progressiva, ao contrário do vídeo entrelaçado, varre a imagem inteira, linha por linha, a cada 1/16 segundo. Em outras palavras, as imagens capturadas não são divididas em campos separados, ao contrário da varredura entrelaçada. 

Os monitores de computador não precisam fazer o entrelaçamento para mostrar a imagem na tela. Em vez disso, eles exibem as imagens progressivamente, uma linha de cada vez e na ordem perfeita, ou seja, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, etc. Com isso, praticamente não há efeito de "cintilação". Em uma aplicação de vigilância, isso pode ser crítico para a exibição de detalhes em uma imagem móvel, por exemplo, uma pessoa correndo. Um monitor de alta qualidade é necessário par aproveitar ao máximo a varredura progressiva. Consulte também Entrelaçamento. Leia mais: Varredura progressiva versus entrelaçada

Protocolo
Um conjunto especial de regras que determina como duas entidades se comunicam. Os protocolos são encontrados nos muitos níveis de comunicação, e há tanto protocolos de hardware quanto protocolos de software. 

Servidor proxy
Em uma empresa que usa a Internet, um servidor proxy atua como intermediário entre uma estação de trabalho e a Internet. Ele proporciona segurança, controle administrativo e um serviço de cache. Qualquer servidor proxy associado a um servidor de gateway, ou parte de um servidor de gateway, separa efetivamente a rede corporativa da rede externa e do firewall local. É o servidor de firewall que protege a rede corporativa contra invasões externas.
Um servidor proxy recebe solicitações de serviços da Internet (como solicitações de páginas da Web) de muitos usuários. Se o servidor proxy também for um servidor de cache, ele procurará em seu cache local de páginas da Web baixadas anteriormente. Se ele encontrar a página, ela será devolvida para o usuário sem encaminhar a solicitação para a Internet. Se a página não estiver no cache, o servidor proxy, agindo como um cliente em nome do usuário, utilizará um dos seus próprios endereços IP para solicitar a página de outro servidor via Internet. Quando a página solicitada é devolvida, o servidor proxy a encaminha para o usuário que a solicitou originalmente. 

P-VOP
Consulte VOP.

Quad view
Uma Quad view exibe imagens de até quatro câmeras em uma única tela, onde as imagens de cada câmera ocupam aproximadamente um quarto da área de exibição. 

(QoS) Qualidade de Serviço
A QoS fornece os meios necessários para garantir um determinado nível de um recursos especificado para tráfego selecionado em uma rede. A qualidade pode ser definida, por exemplo, como a manutenção de um nível de largura de banda, baixa latência, ausência de perda de pacotes, etc. O recurso de QoS nos produtos de vídeo em rede Axis marca os pacotes de dados para vários tipos de tráfego de rede provenientes do produto. Isso permite que roteadores e switches de rede, por exemplo, reservem uma quantidade fixa de largura de banda para esses tipos de tráfego. Leia mais: QoS (Qualidade de Serviço)

Resolução
A resolução da imagem é uma medida de quantos detalhes uma imagem digital pode comportar: quanto maior a resolução, maior o nível de detalhes. A resolução pode ser especificada como o número de colunas de pixels (largura) pelo número de linhas de pixels (altura). Por exemplo, 320 x 240. 

Opcionalmente, o número total de pixels (normalmente em megapixels) na imagem pode ser usado. Em sistemas analógicos, também é comum o uso de outras designações de formato, como CIF, QCIF, 4CIF, etc. Leia mais: Resolução

RS-232
RS-232 é um padrão há muito estabelecido que descreve a interface física e o protocolo para a comunicação serial de dados em baixa velocidade entre dispositivos. Essa é a interface que, por exemplo, um computador usa para falar e trocar dados com um modem e outros dispositivos seriais. 

RS-422
O RS-422 é um protocolo de comunicação serial de dados que especifica comunicações em 4 fios, full-duplex, com linha diferencial e multidrop. Ele permite a transmissão de dados balanceada com linhas de transmissão unidirecionais/não reversíveis, terminadas ou não terminadas. O RS-422 não permite múltiplos drivers, apenas múltiplos receptores. O alcance máximo recomendado é 1200 metros (4000 pés). A taxa de bauds máxima recomendada é 10 Mbit/s

RS-485
O RS-485 é uma versão atualizada do RS-422 que oferece suporte a até 32 dispositivos na mesma conexão. O RS-485 é uma especificação elétrica para uma conexão serial multiponto half-duplex com dois fios. Ele possibilita a configuração de redes locais e links de comunicação multidrop de baixo custo. Ele oferece velocidades elevadas de transmissão de dados (até 10 Mbit/s) e, por usar uma linha balanceada diferencial via par trançado (como RS-422), pode abranger distâncias relativamente grandes (1200 metros ou 4000 pés). O RS-485 apenas especifica as características elétricas do driver e do receptor. Ele não especifica nem recomenda protocolos de dados.

RTCP (Real-Time Control Protocol)
O RTCP oferece suporte a conferências em tempo real de grupos de qualquer tamanho em uma intranet. Esse suporte inclui a identificação da origem e gateways como bridges de áudio e vídeo, bem como conversores muticast para unicast.

Ele oferece feedback de Qualidade de Serviço dos receptores para o grupo de multicast, bem como suporte à sincronização de diferentes streams de mídia. 

RTP (Real-Time Transport Protocol)
O RTP é um protocolo da Internet para o transporte de dados em tempo real, por exemplo, áudio e vídeo. Ele pode ser usado em aplicações de mídia sob demanda, bem como em serviços interativos como telefonia via Internet. 

RTSP (Real Time Streaming Protocol)
O RTSP é um protocolo de controle e um ponto de partida para a negociação de transportes, como RTP, multicast e Unicast, e para a negociação de codecs.

O RTSP pode ser considerado um "controle remoto" para o stream de mídia fornecido por um servidor de mídia. Os servidores RTSP normalmente usam RTP como o protocolo para o transporte em si de dados de áudio/vídeo.

Roteador
Um dispositivo que determina o próximo ponto de rede para o qual um pacote deve ser encaminhado rumo ao seu destino final. Um roteador cria e/ou mantém uma tabela de roteamento especial que armazena informações sobre como melhor atingir determinados destinos. Os roteadores também podem ser integrados a switches de rede. Consulte também Switch.

Servidor
Em geral, um servidor é um programa de computador que fornece serviços para outros programas de computador no mesmo computador ou em outros computadores. Um computador que executa um programa de servidor também é frequentemente chamado de servidor. Na prática, o servidor pode conter um número qualquer de programas servidores e clientes. Um servidor Web é um programa de computador que fornece as páginas HTML ou os arquivos solicitados para o cliente (navegador). 

Nitidez
É o controle de detalhes finos dentro de uma imagem. Esse recurso foi originalmente introduzido em aparelhos de TV que usavam decodificadores com filtros de rejeição de faixa. Esse filtro removia todos os detalhes de alta frequência na região de preto e branco da imagem. O controle de nitidez tentava colocar alguns desses detalhes de volta na imagem. Os controles de nitidez são praticamente supérfluos nas TVs de alto desempenho atuais. Hoje em dia, somente aparelhos de videocassete VHS necessitariam desse tipo de controle. 

Simplex
Em uma operação simplex, um cabo de rede ou canal de comunicações pode enviar informações somente em uma direção. Consulte também Full-duplex. Leia mais: Áudio

SMTP (Simple Mail Transfer Protocol)
O SMTP é usado para enviar e receber emails. No entanto, por ser "simples", ele é limitado em sua capacidade de enfileirar mensagens no lado receptor e, normalmente, é usado com dois outros protocolos: POP3 ou IMAP. Esses outros protocolos permitem que o usuário salve as mensagens em uma caixa de correio no servidor e as baixe periodicamente do servidor. 

A autenticação do SMTP é uma extensão do SMTP onde o cliente é forçado a fazer login no servidor de email antes ou durante o envio da mensagem. Ela pode ser usada para permitir que usuários legítimos enviem emails e, ao mesmo tempo, negar o serviço para usuários não autorizados, como spammers. 

SNMP (Simple Network Management Protocol)
O SNMP faz parte do conjunto de protocolos da Internet, conforme definido pela Internet Engineering Task Force. O protocolo oferece suporte ao monitoramento de dispositivos conectados à rede para quaisquer condições que necessitem de atenção administrativa.

Soquetes
Soquetes são um método de comunicação entre um programa cliente e um programa servidor via rede. Um soquete é definido como "o ponto de extremidade de uma conexão". Os soquetes são criados e usados com um conjunto de solicitações de programação ou "chamadas de função" algumas vezes chamados de interface de programação de aplicativos (API) do soquete. 

SSL/TLS (Secure Socket Layer/Transport Layer Security)
Esses dois protocolos (o SSL é sucedido pelo TLS) são protocolos criptográficos que proporcionam comunicações seguras em uma rede. O SSL é comumente usado via HTTP para formar o HTTPS, muito usado na Internet, por exemplo, para a realização de transações financeiras eletrônicas. O SSL usa certificados de chaves públicas para verificar a identidade do servidor. 

Em particular, e sem limitações, alguns produtos Axis incluem software desenvolvido pelo OpenSSL Project para uso no OpenSSL Toolkit (http://www.openssl.org/) e software de criptografia desenvolvido por Eric Young (eay@cryptsoft.com).

Sub-rede e máscara de sub-rede
Uma sub-rede é uma parte distinta identificável da rede de uma organização. Em geral, uma sub-rede pode representar todas as máquinas de um local geográfico, em um prédio ou na mesma rede local (LAN). Dividir a rede de uma organização em sub-redes permite que elas sejam conectadas à Internet usando um único endereço de rede compartilhado.
A máscara de sub-rede é a parte do endereço IP que informa a um roteador de rede como encontrar a sub-rede à qual o pacote de rede deve ser entregue. O uso da máscara de sub-rede poupa ao roteador o trabalho de ter que lidar com o endereço IP de 32 bits inteiro. Ele simplesmente verifica os bits selecionados pela máscara.

Switch
Um switch é um dispositivo de rede que conecta segmentos de rede uns aos outros e que seleciona um caminho para enviar uma unidade de dados para seu próximo destino. De modo geral, um switch é um mecanismo mais simples e rápido que um roteador, o qual requer conhecimento sobre a rede e sobre como determinar a rota. Alguns switches incluem a função de roteador. Consulte também Roteador.

TCP (Transmission Control Protocol)
O TCP é usado com o Internet Protocol (IP) para transmitir pacotes de dados entre computadores via rede. Enquanto o IP toma conta da entrega de pacotes em si, o TCP controla os pacotes individuais nos quais a comunicação (por exemplo, solicitação de um arquivo de página da Web) é dividida e, quando todos os pacotes chegam ao destino desejado, ele os remonta para recriar o arquivo completo.

O TCP é um protocolo orientado a conexão, ou seja, uma conexão é estabelecida entre os dois pontos de extremidade e é mantida até que os dados tenham sido trocados com êxito entre os aplicativos que estão se comunicando. 

Telnet
O Telnet é um método simples para acessar outro dispositivo de rede, por exemplo, um computador. Os protocolos HTTP e FTP permitem a você selecionar arquivos específicos de computadores remotos, mas não permitem que você faça logon como usuário desse computador. Com o Telnet, você faz logon como um usuário normal e com todos os privilégios concedidos a esse usuário para aplicativos específicos e dados residentes nesse computador.

Sensores térmicos
Há dois tipos de sensores térmicos disponíveis no mercado: com resfriamento e sem resfriamento.
a. Com resfriamento
Sensores com resfriamento são sistemas de alto desempenho muitas vezes encontrados em aplicações militares. Eles são caros e estão disponíveis em diferentes subtipos. Embora o desempenho dos sensores com resfriamento seja muito superior ao dos sensores sem resfriamento, a diferença de preço faz dos sensores sem resfriamento as únicas opções para o mercado convencional de vigilância não militar. Os sensores com resfriamento também possuem outro ponto negativo: o resfriamento deve ser mantido dentro de um determinado intervalo para conservar o mesmo desempenho ao longo do tempo. O custo total de propriedade elevado das câmeras térmicas compatíveis com sensores com resfriamento em geral as torna caras demais para aplicações não militares.
b. Sem resfriamento
Os sensores sem resfriamento também estão disponíveis em tipos diferentes, mas o mais comum é o sensor térmico com microbolômetro. Um microbolômetro é, basicamente, um minúsculo resistor cuja resistência varia com a temperatura. Ao permitir que o sinal recebido aqueça o microbolômetro e, em seguida, ler a variação da resistência em comparação a um microbolômetro "cego", podemos determinar um valor para a radiação infravermelha recebida. Uma imagem é criada em uma matriz de pixels de microbolômetros.

Termografia
Termografia (ou geração de imagens térmicas) é um método através do qual a radiação infravermelha é convertida em e apresentada na forma de uma imagem. A termografia é uma ferramenta muito poderosa para a visualização de diferenças de temperatura em objetos. Se a câmera térmica estiver calibrada, a imagem térmica poderá fornecer informações sobre a temperatura da superfície do objeto. Ao medir a temperatura de uma superfície específica, a câmera é influenciada por muitos outros parâmetros – como absorção, emissão, reflexão, transmissão e a forma como os objetos próximos irradiam calor.

TVL (linhas de TV)
Um método para a definição de resoluções em vídeo analógico.

UDP (User Datagram Protocol)
O UDP é um protocolo que oferece serviços limitados para a troca de dados em redes que utilizam o Internet Protocol (IP). O UDP é uma alternativa ao Transmission Control Protocol (TCP). A vantagem do UDP é que ele não precisa entregar todos os dados e pode descartar pacotes de rede quando há, por exemplo, um congestionamento na rede. Isso o torna adequado para vídeo ao vivo, já que não faz sentido retransmitir informações antiga que não serão mais exibidas.

Unicast
Comunicação entre um único emissor e um único receptor via rede. Uma nova conexão e estabelecida para cada novo usuário. Consulte também Multicast.

UPnPTM
Um conjunto de protocolos de rede de computador que permite a detecção ponto a ponto automática de dispositivos na rede. O UPnP é promovido pelo UPnP Forum.

URL (Uniform Resource Locator)
Localizador de recurso uniforme. Um "endereço" na rede.

USB (Universal Serial Bus)
Uma interface plug-and-play entre um computador e dispositivos periféricos (scanners, impressoras, etc.)

VAPIX®
A VAPIX® é a interface de programação de aplicativos (API) aberta da Axis que permite a integração eficiente em termos de custos, flexível, expansível e sempre atual com outros sistemas. Leia mais: Páginas do desenvolvedor de vídeo em rede

Lente varifocal
Uma lente varifocal oferece uma faixa ampla de distâncias focais, ao contrário de uma lente com distância focal fixa, que fornece apenas uma. 

Codificador de vídeo
Servidor de vídeo. Leia mais: O que é um servidor de vídeo?

VPN (Virtual Private Network)
Rede privada virtual. Cria um "túnel" seguro entre os pontos da VPN. Somente dispositivos com a "chave" correta podem trabalhar dentro da VPN. A rede VPN pode estar contida na rede local (LAN) de uma empresa, mas diferentes locais também podem ser conectados via Internet de forma segura. Um uso comum da VPN é na conexão de computadores remotos à rede corporativa, por exemplo, via linha telefônica ou Internet. Leia mais: Segurança de rede

VOP (Video Object Plane)
Um VOP é um quadro de imagem em um stream de vídeo MPEG-4. Há vários tipos de VOP:
– Um I-VOP é um quadro de imagem completo.
– Um P-VOP codifica a diferença entre as imagens, desde que seja mais eficiente fazê-lo. Caso contrário, ele codifica a imagem inteira, o que também pode ser uma imagem completamente nova. 

WAN (Wide-Area-Network)
Rede de longa distância. Semelhante a uma LAN, mas em uma escala geográfica maior. 

W-LAN (Wireless LAN)
Uma LAN sem fio é uma rede local sem fio que usa ondas de rádio como portadora, onde as conexões de rede para os usuários finais são sem fio. A estrutura de rede principal, em geral, usa cabos.

Servidor Web
Um servidor Web é um programa que permite aos navegadores da Web recuperar arquivos de computadores conectados à Internet. O servidor Web escuta as solicitações de navegadores da Web e, ao receber uma solicitação de arquivo, envia o arquivo de volta para o navegador.

A função principal de um servidor Web é entregar páginas para outros computadores remotos. Consequentemente, ele precisa ser instalado em um computador que esteja conectado permanentemente à Internet. Ele também controla o acesso ao servidor enquanto monitora e registra as estatísticas de acesso ao servidor.

WEP (Wired Equivalent Privacy)
Um protocolo de segurança para redes sem fio especificado no padrão IEEE 802.11 e desenvolvido para fornecer a redes locais sem fio (WLAN) um nível de segurança e privacidade comparável ao que é normalmente esperado de uma LAN com fio. A segurança é oferecida em dois níveis diferentes: criptografia de 40 bits ou de 128 bits. Quanto maior o número de bits, mais segura é a criptografia. Leia mais: Segurança de rede

WINS (Windows Internet Naming Service)
Parte do Microsoft Windows NT Server, o WINS gerencia a associação de nomes e locais de estações de trabalho a endereços IP sem que o usuário ou o administrador precise se envolver em cada alteração na configuração. 

WPA-PSK (Wi-Fi Protected Access – Pre-Shared Key)
Esse método de criptografia sem fio usa uma chave pré-compartilhada (PSK) para gerenciar chaves. As chaves normalmente podem ser inseridas como valores hexadecimais manuais, caracteres hexadecimais ou frases de acesso. A WPA-PSK proporciona um grau de segurança superior ao da WEP.

Lente com zoom
Uma lente com zoom pode ser movida para ampliar a exibição de um objeto para mostrar mais detalhes.