Video compression

Velocidades de transmissão variável e constante

Com os padrões MPEG-4 e H.264, os usuários podem permitir que um a velocidade de transmissão do fluxo de vídeo codificado seja variável ou constante. A seleção ideal depende da aplicação e da infra-estrutura de network.

Taxa de bits variável

Com a VBR (Variable Bit Rate, Taxa de Bits Variável), um nível predefinido de qualidade de imagem pode ser mantido, independentemente do movimento ou da falta de movimento de uma cena. Isso significa que a largura de banda consumida aumentará quando houver muita atividade em uma cena e cairá quando não houver movimento. Muitas vezes, isso é desejável em aplicações de vigilância por vídeo onde existe a necessidade de uma alta qualidade, particularmente se houver movimento na cena.

Uma vez que a taxa de bits pode variar, mesmo quando uma média desejada é definida, a infraestrutura de rede (a largura de banda disponível) deve ser capaz de acomodar altas taxas de transferência.

Taxa de bits constante

Quando a largura de banda disponível é limitada, o modo normalmente recomendado é o CBR (Constant Bit Rate, Taxa de Bits Constante), pois ele gera uma taxa de bits constante que pode ser predefinida por um usuário. A desvantagem do CBR é que, quando houver, por exemplo, o aumento da atividade em uma cena, o que resulta em uma taxa de bits mais elevada do que a taxa desejada, a restrição para manter a taxa de bits constante ocasionará uma qualidade de imagem e uma taxa de quadros mais baixas.

Os produtos de vídeo em rede da Axis permitem que o usuário priorize a qualidade da imagem ou a taxa de quadros, se a taxa de bits for superior à desejada.

Comparação dos padrões